sexta-feira, 2 de junho de 2017

o coração é (sempre) o norte*


 
Ao longo da vida vamos tomando decisões. umas pequeninas, fáceis e pouco barulhentas, outras gigantescas, dolorosas, que levantam poeira, abanam estruturas, rasgam janelas em nós, mudam a nossa vida para sempre. fazem-nos perceber, logo ali, a nossa verdade e o caminho que queremos seguir. quase sempre, e porque abrem espaço para o novo, fazem doer, fazem arder, mas trazem com elas uma bula: ensinam que o que arde cura.
ao longo da vida vamos aprendendo que, às vezes, é bom ficar sem tecto para ganhar estrelas [e um dia aprendemos a agradecer por isso]. vamos descobrindo que a pergunta certa para (quase) tudo é para quê, e não porquê. que o conforto de não arriscar dar um passo – à frente, ao lado, ou atrás - é ficar para sempre a meio caminho. e que quando, dentro do turbilhão dos dias, não conseguimos perceber o que queremos, devemos tentar prestar atenção àquilo que não queremos.
ao longo da vida, vamos percebendo (e, com tempo e amor, aceitando) que, muitas vezes, só depois do desespero vem a paz.
retirado daqui 
Beijocas,
Sandra

1 comentário:

  1. É mesmo isso!
    beijinhos
    https://direitoporlinhastortas-id.blogspot.pt/

    ResponderEliminar