quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Dos pontos cardeais

"Os pontos de referência da nossa geografia emocional. Estar no momento certo, à hora certa. Achar o norte. Saber que direcção tomar. Ter a coragem de arriscar. Apresentar uma ideia, um plano, a motivação e a energia que nascem da força de acreditar. Sair da zona de conforto, pensar fora da caixa, deixar de lado o «porquê?» e passar a pensar em «porque não?», alinhar sonhos, definir objectivos.  Não ter medo da voz da ambição e dar-lhe realismo, terra, raízes, pés (bem) assentes no chão. Depois, a mesma dose de humildade, as mais valias do caminho percorrido, uma enorme (e indescritível) gratidão pela empatia, a confiança, o entusiasmo e a conjugação perfeita do verbo Somar.
Ninguém precisa de certezas estáticas. O que precisamos é de aprender uma nova fórmula. Aquela com que nos reinventamos. 
Haverá sempre o dia em que nasce uma manhã luminosa, depois de muitos céus escuros. Haverá sempre o dia em que «não importa o tamanho dos apertos, nós aprendemos a criar espaço.» "

Retirado - http://asnovenomeublogue.clix.pt/

» créditos imagem | justin mullet

1 comentário:

  1. Identifico-me muito com esse texto, adorei!! :)

    http://insporcelain.blogspot.pt

    ResponderEliminar