domingo, 3 de agosto de 2014

Feira Quinhentista Ribeira Grande

Um guarda-roupa com mais de 200 trajes, tasquinhas de comes e bebes e artesanato e mais de sete mil canecas em barro recriarm na Ribeira Grande um ambiente Quinhentista,que se iniciou ontem.
Nunca tinha tido oportunidade de ir, o que só é de lamentar porque foi fantástico, estava lá todo o espirito do quinhentismo ,se é que se pode dizer isso assim, estava tudo decorado e vestido a rigor, e os figurantes que faziam a animação de rua tinham o cuidado de falar como na época!
Achei girissimo dois senhores a tentar regatear o preço de uma prima minha para ela ir ser a escrava deles porque iam nums caravela e necessitavam de alguém para cozinhr e manter o convéns limpo... muito engraçado mesmo.

“Será como entrar numa espécie de máquina do tempo e viver ao pormenor as vivências daquela época”, disse o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, em declarações à agência Lusa, este ano o tema era “Entre Mouros e Cristãos”.
"A Feira Quinhentista foi realizada pela primeira vez em 2007 para assinalar os 500 anos do concelho e tinha uma periodicidade bianual, enquadrada nas comemorações da atribuição pelo rei D. Manuel I da Carta de Foral que elevou o lugar da Ribeira Grande à categoria de vila.
Alexandre Gaudêncio adiantou que o guarda-roupa inclui mais de duas centenas de trajes, alusivos às três classes sociais quinhentistas – povo, nobreza e clero.
"Muitos trajes já fazem parte do património da autarquia" e são “sempre confecionados por costureiras do concelho”, acrescentou, explicando que este ano foram melhorados ao nível dos ornamentos.
Este ano, a feira contará com uma "reformulação de espaços", devido a obras de requalificação no centro histórico. Assim, o evento será "direcionado este ano para a zona de Santo André, junto às piscinas municipais", segundo o autarca.
A feira tem assegurado artesanato típico da época, patente em 21 barraquinhas, além de 15 tasquinhas de comes e bebes “com regulamento próprio" para comercialização dos pratos típicos da época”. A autarquia adquiriu ainda mais de sete mil canecas em barro.
Durante os três dias do evento, os visitantes vão também encontrar atividades relacionadas com a época, como torneios a cavalo ou animação de rua com jograis, malabaristas, danças e alguns animais exóticos.
Alexandre Gaudêncio frisou que tem existido o cuidado de envolver a comunidade no evento, desde associações e organizações locais a grupos de teatro e comerciantes, e garantiu que foi possível "reduzir consideravelmente os custos" da Feira Quinhentista, cujo valor não adiantou.
"Qualquer investimento feito neste tipo e evento terá sempre um retorno para o concelho, porque movimenta muita gente e temos tido também o contacto de muitos emigrantes que contactaram a autarquia durante este ano para saber quando era organizada a feira para organizarem as suas férias", disse, perspetivando um grande número de visitantes à Ribeira durante no fim de semana do evento.
A organização da Feira Quinhentista é da Câmara Municipal da Ribeira Grande (ilha de São Miguel, nos Açores), através da divisão cultural." Texto retirado do jornal Açoriano Oriental
Eu gostei muito de tudo, principalmente da interação e das explicações que nos davam sobre diversos objetos que lá se encontravam como foi o caso da empresa Encadeados, que para além de explicar tudo muito bem, ainda deu a oportunidade de experimentar mos alguns objetos.
Resta me desejar muitos parabéns à organização e que venham mais iniciativas deste género.
Para quem ainda não teve oportunidade de visitar esta feira tem ainda até domingo dia 3!

Sem comentários:

Enviar um comentário