quarta-feira, 23 de abril de 2014

Já brincou com o seu filho hoje

Brincar com o seu filho é importante, reserve uns minutos para estar com o seu filho! Já pensou que brincar com as crianças contribui para criar uma relação de maior proximidade e fortalecer laços afetivos entre os membros da família?
Experiências positivas com sentimentos agradáveis podem servir de suporte para futuros momentos de conflito, pois ao brincar com o seu filho pode ajudá-lo a resolver problemas, a experimentar novas ideias, a explorar a imaginação. Brincar com adultos estimula a aquisição de vocabulário para que as crianças aprendam a comunicar os seus pensamentos, sentimentos e necessidades.
Deixe-se guiar pelo seu filho
Quando brincar com o seu filho, deixe-se guiar pela imaginação e ideias dele e evite organizar ou estruturar as atividades com ordens ou instruções. O brincar é um espaço de liberdade, não há um brincar certo ou errado. Não tente ensinar-lhe nada, simplesmente observe e acompanhe, imite-o e faça o que lhe pede para fazer. Esta abordagem vai estimular o desenvolvimento das capacidades do seu filho para brincar e pensar de forma independente.
O ritmo da brincadeira deve ser adequado ao seu filho
Quando as crianças pequenas brincam tendem a repetir a mesma atividade vezes sem conta. As brincadeiras repetitivas, como encher e esvaziar uma caixa vezes sem conta, aborrece rapidamente a maior parte dos pais e é tentador acelerar o ritmo, propondo uma ideia nova ou outra forma de utilizar o brinquedo. Mas as crianças precisam de ensaiar e praticar uma determinada tarefa para sentirem que a dominam e para se sentirem confiantes. Um ritmo pausado vai contribuir para incrementar a capacidade de atenção do seu filho e incentivá-lo a concentrar-se numa mesma atividade durante um período de tempo.
Adeque as brincadeiras à idade e etapa do desenvolvimento do seu filho
Se quiser fazer um puzzle não escolha esse jogo se o seu filho tiver 3 anos. A criança vai resistir e evitar essa brincadeira porque não a percebe e não é estimulante para ela. Preste atenção aos sinais que a criança lhe vai dando. Proponha novas brincadeiras ciclicamente e repare se o seu filho já se sente mais motivado para brincar.
Elogie e encoraje as ideias e a criatividade da criança
Evite corrigir o seu filho quando ele está a brincar, uma vez que esse tipo de crítica vai desencorajá-lo de explorar as suas ideias ou experimentar novas formas de usar os brinquedos. Não julgue, corrija ou contradiga o seu filho quando brinca com ele. As brincadeiras das crianças não têm de fazer sentido aos olhos dos pais. Elogie as ideias, o raciocínio e o comportamento da criança. Reforce as competências dela, como a capacidade de concentração, a persistência, a capacidade de resolução de problemas, criatividade.
Ensine o seu filho a brincar com outras crianças
Brincar com os irmãos ou amigos é uma excelente ocasião para desenvolver algumas competências sociais das crianças, como saber partilhar, saber esperar, usar à vez, ajudarem-se uns aos outros, agradecer, pedir antes de tirar o brinquedo ao amigo.
Encoraje o seu filho a resolver os problemas sozinho
Por vezes, ao tentar ajudar, os pais acabam por tornam mais difícil que a criança aprenda a resolver problemas e a brincar autonomamente. Dar ajuda em demasia ou assumir a realização de uma atividade diminui a confiança da criança nas suas capacidades e a sua auto-estima, promovendo a dependência dos adultos.
Estimule o desenvolvimento emocional do seu filho através do “faz de conta”
É importante estimular o “faz de conta” (gatinhar no chão a imitar um comboio, por exemplo) porque consolida os mundos imaginários da criança, o seu pensamento criativo e narrativo, ajuda-a a gerir as emoções e a partilhar sentimentos, desenvolve competência cognitivas, emocionais e sociais. Permita que as caixas e as cadeiras sejam transformadas em casas e palácios e as bonecas em amigos. A fantasia ajuda a criança a pensar simbolicamente e a distinguir o que é real e o que não é.
Dê atenção à criança enquanto ela brinca
Quando a criança está sossegada a brincar, a maior parte dos pais aproveita esse tempo para tratar das suas coisas (fazer o jantar, ler, escrever um email). A verdade é que se a criança não recebe atenção positiva quando se porta bem, vai fazer os possíveis para atrair a atenção negativa, portando-se mal. Este é o princípio básico na origem de muitos problemas de comportamento. Se der atenção à criança enquanto ela brinca, ela sentirá menos necessidade de chamar a atenção e sente-se mais segura.
O brincar não significa apenas recrear-se, é uma forma mais complexa que a criança tem de comunicar consigo própria e com o mundo que a rodeia. Precisa de ter tempo e espaço para atividades lúdicas e é a brincar que organiza o seu mundo,integra valores morais e culturais, desenvolve competências relacionais, experimenta emoções. Já brincou com o seu filho hoje?
Sara Guelha – Psicóloga Clínica da Oficina de Psicologia

Sem comentários:

Enviar um comentário